terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Oito terminais de ônibus foram vistoriados pela SMS

Foto: João Paulo/STTU
As condições de trabalho de motoristas, cobradores e demais funcionários das empresas de transporte coletivo que atuam nos terminais de ônibus urbanos de Natal estão sendo analisadas pelo Setor de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador (Visamt) do Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (DVS-SMS). Até o momento já foram feitas visitas aos terminais das Rocas, Brasília Teimosa, Cidade da Esperança, Soledade, Alvorada, Vale Dourado, Pajuçara e Gramoré. Nesta quarta-feira (13) é a vez do Parque das Dunas e Redinha, na zona Norte.

O chefe do Visamt, Marcílio Xavier, explicou que o objetivo da pesquisa é traçar o perfil dos trabalhadores do sistema de transporte público municipal e que as vistorias foram definidas a partir de uma demanda apresentada pelo Setor de Vigilância Sanitária do município (Visa Natal).

“Nosso objetivo é fazer o levantamento das condições de trabalho de motoristas, cobradores e dos funcionários que exercem suas atividades nos terminais das empresas de ônibus. E esse material deverá ser transformado em um relatório detalhado sobre o que encontrarmos nestes locais, que será encaminhado aos setores competentes, para que sejam tomadas as devidas providências”.

Marcílio Xavier explica que durante a visita é aplicado um questionário que avalia as condições de trabalho. “A maior reclamação é a dupla função, dirigir e cobrar”. Em relação aos terminais, a maioria não oferece condições para descanso e os banheiros são precários. “Falta um local que ofereça um mínimo de conforto. Em muitos os casos os percursos são longos e o tempo para percorrê-los pequeno, isso leva a um estresse longo. Os altos índices de assalto também tem afastado muitos desses profissionais por problemas mentais”, afirma.

Participaram da ação servidores da Visamt e da Visa Natal, que coletaram informações sobre a situação no local com os presentes e inspecionaram as condições sanitárias e ambientais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário